LEALDADE HUMILDADE PROCEDIMENTO

Minha foto
São Paulo, Mooca - SP, Brazil
Rodrigo Freitas - rodrigo_adefreitas@hotmail.com

terça-feira, 31 de agosto de 2010

Parabéns CORINTHIANS, simplesmente TIMÃO

É extremamente emocionante você colocar o pé no gramado, olhar para os lados e ver aquela pluralidade de pessoas que naqueles próximos noventa minutos terão só uma missão: a de empurrar seu time. A fiel me ensinou uma lição que levarei para resto da minha vida, a perseverança, ou seja, nunca desistir de um objetivo por mais difícil que ele pareça.

Completar 100 anos de vida não é um feito para muitos clubes brasileiros. Completar 100 anos com muitas glórias já não é para qualquer um. Completar 100 anos dividindo o posto de maior torcida do Brasil é fabuloso. Completar 100 anos tendo ficado em sua história vinte e três anos sem conquistas e ainda assim não parar de crescer a quantidade de torcedores revela a paixão despertada. Completar 100 anos com a perspectiva real de se tornar o maior clube de futebol do planeta o torna único. Fazer parte dessa linda história me enche de orgulho. Estar no seleto grupo dos capitães me enche de responsabilidade.

Parabéns ao Sport Club Corinthians Paulista, ou simplesmente Timão. O único clube de futebol criado pelo povo e para o povo.

2008: Corinthians retorna à elite do futebol brasileiro

No dia 2 de dezembro de 2007, quando o Timão foi rebaixado no Campeonato Brasileiro, após empate com o Grêmio, no Olímpico, o presidente Andrés Sanchez, ainda em prantos, afirmou:

– Quem quiser tirar sarro, que tire hoje, porque a partir de amanhã o Corinthians será outro.

E as palavras do mandatário do Corinthians realmente foram seguidas como lei. Ainda no fim de 2007, Mano Menezes foi anunciado como o novo treinador da equipe e deu início ao projeto de reconstrução do clube paulista.

O elenco foi reformulado e nomes como Chicão, William, André Santos, Herrera, Acosta, entre outros, foram contratados. Outros tantos, como o zagueiro Betão, não permaneceram.

Sob o comando do treinador gaúcho, sempre com o aval de Andrés Sanchez e Mário Gobbi, e também na presença de Antonio Carlos Zago como diretor de futebol, o Corinthians começou a caminhada para voltar à Série A.

Primeiro, realizou um Campeonato Paulista ainda de adaptação ao novo status, ficando na quinta colocação. Com o passar dos jogos, foi avançando na Copa do Brasil e após perder um jogo para o Goiás por 3 a 1, precisava reverter o resultado. No Morumbi, fez 4 a 0 no Esmeraldino e teve a partida como divisor de águas.

Após essa vitória, o Corinthians embalou uma série de bons resultados, engatou uma sequência de sete vitórias seguidas no Campeonato Brasileiro da Série B e liderou a competição do início ao fim. Sempre ao lado do time, mostrando seu apoio e amor quase incondicional, a torcida corintiana pôde cantar, mesmo que ainda faltando seis jogos para o fim do campeonato: “O Coringão voltou! O Coringão voltou!!!”

E assim, nos braços do povo, o Corinthians retomou o seu lugar na elite do futebol brasileiro.

O ano da reconstrução

SÉRIE B

Campanha
Colocação: 1 – 85 pontos
Jogos: 38 (25 V, 10 E e 3 D)
Gols: 79 a favor e 29 contra
Aproveitamento: 74,56%

Recorde de antecipação
O Corinthians confirmou o acesso seis rodadas antes do final da competição.

GERAL

Os que mais jogaram
William (65 jogos)
André Santos (62 jogos)
Felipe (61 jogos)

Equipes mais vazadas
Marília e São Caetano (nove gols)

Quem mais vazou o Timão
São Caetano (sete gols)

O maior garçom
Herrera (14 assistências)

O maior carrasco
Tuta, do São Caetano (três gols)

ARTILHARIA
Dentinho (24 gols)
Herrera (22 gols)
André Santos (18 gols)
Chicão (12 gols)
Douglas (nove gols)
Acosta (nove gols)

PÚBLICO*

Mandante
886.981 pagantes.
26.087 média/público (34 jogos).
R$ 16.542.862,00 arrecadados.
R$ 486.554,00 média arrecadação (34J).
Maior público: 63.871 pagantes (Corinthians 3x1 Sport – 4/6/2008 – Morumbi – 1 final Copa do Brasil)

Visitante
591.510 pagantes.
17.397 média/público (34 jogos).
R$ 11.281.811,00 arrecadados.
R$ 331.817,00 média arrecadação (34J).
Maior público: 47.308 pagantes
(Ceará 2x2 Corinthians – 22/7/2008 – Brasileirão Série B – em Fortaleza).

*Exceto dois amistosos
Dados de “A reconstrução do Timão”, de Maurício Oliveira e Rodrigo Vessoni.

Corintianos picham muro do CT do São Paulo



Na manhã desta terça-feira, os muros do Centro de Treinamento do São Paulo amanheceram pichados com provocações feitas por torcedores do rival Corinthians. As frases faziam referência a derrota do Morumbi para o Fielzão, na disputa por sediar a abertura da Copa do Mundo de 2014.

- A Copa é nossa, freguês - era um dos dizeres pichados no muro do CT.

Pouco tempo depois, às 9h da manhã, o clube já havia pintado o muro, apagando as provocações. Até um símbolo do centenário do Corinthians foi grafado no local. Na noite desta terça, haverá um show para o comemorar os 100 anos do Timão no Vale do Anhagabaú.

Por estádio, Dentinho quer ficar no Timão

Formado no Corinthians, Dentinho sempre é um dos nomes envolvidos em especulações para deixar o time. Entretanto, o desejo real do atacante é permanecer. Ainda mais com a notícia de que o Corinthians terá um novo estádio.

- É um sonho. Espero ficar para jogar no novo estádio. Me imagino fazendo o primeiro gol do estádio e conquistar a Libertadores nele. Aliás, a Libertadores tem de vir antes, já em 2011 - disse o atacante.

Sobre uma possível saída do camisa 31 do Corinthians, seu procurador, conhecido como Talkinho, tranquiliza os torcedores do Timão. Ao menos por enquanto...

- Dá para garantir que ele fica esse ano. O momento dele no Corinthians é bom, está jogando ao lado de Ronaldo e Roberto Carlos. Ele ainda pensa em ter outra oportunidade na Seleção e terminar o ano bem - afirmou.

Talkinho ainda revelou que Dentinho chegou a ser procurado por clubes de mercados periféricos do futebol, de países como a Ucrânia e Emirados Árabes Unidos. Entretanto, como o foco é somente no desenvolvimento da carreira do atleta, o procurador garantiu que uma negociação só seria bem vista se fosse para equipes de grandes mercados, como a Espanha, Itália e Inglaterra.

Estádio do Timão: Fiel ficará próxima do gramado

O novo estádio do Corinthians, em Itaquera, será construído nos padrões utilizados na Europa. Inclusive, em relação à proximidade dos torcedores com o gramado. Apenas sete metros irão separar a Fiel dos jogadores.

Essa é apenas uma das especificações do estádio que, inclusive, será usado pelo governo paulista e a CBF como palco da cidade na Copa do Mundo de 2014, incluindo o jogo de abertura. Outros itens tradicionais das arenas europeias também fazem parte do projeto, que prevê uma capacidade para 48.238 lugares, com possibilidade de ampliação para 68 mil.

O escritório de arquitetura Coutinho Diegues Cordeiro Arquitetos é o responsável pelo projeto - Arena das Dunas, em Natal (RN), também está a cargo da empresa. Em contato telefônico com o LANCENET! , Aníbal Coutinho, um dos sócios do escritório, afirmou que nos próximos dias serão divulgadas novas imagens do estádio corintiano.

- As últimas 72 horas foram uma loucura. Disponibilizares nas próximas horas novas imagens, vídeos e detalhes sobre o projeto - afirmou Anibal.

Camarotes, cadeiras cativas, estacionamento com boa capacidade e facilidade na entrada e saída dos torcedores serão outras facilidades que os corintianos encontrarão no Fielzão. Shows, eventos e feiras poderão ser realizadas nos dias em que não tiverem jogos, inclusive, no espaço destinado aos carros.

Caso a nova arena corintiana abrigar a abertura do Mundial, em 2014, a cobertura será modificada. De 60% para quase toda a totalidade, como pede a Fifa. O custo, a princípio, será de R$ 300 milhões. O custo ficará a cargo da Construtora Odebrecht. A empreiteira vai bancar a obra e, em contrapartida, terá o direito de vender o "naming rights" (nome) do estádio por um período de 11 a 15 anos - os primeiros dez anos para arrecadar o que foi gasto e o restante para o lucro.

O pré-contrato entre Corinthians e a empresa deverá ser assinado nesta segunda-feira. Posteriormente, levado ao Cori (Conselho de Orientação) e Conselho Deliberativo do clube.

DETALHES SOBRE O PROJETO:

Capacidade: 48.234 lugares
Camarotes: 120 unidades, com capacidade para 30 pessoas
4 camarotes especiais, com capacidade para 90 pessoas
Cadeiras cobertas: 6 mil
Cadeiras cativas cobertas: 10 mil, inclusive, com lanchonetes
15 camarotes para patrocinadores
Distância em relação ao gramado: sete metros
Estacionamento: 2,2 mil carros (com possibilidade de ser transformado em local para eventos (15 mil metros quadrados)
Escoamento do público: até 10 minutos
Espaço reservado em todos os setores do campo para deficientes físicos.
65% dos lugares com visão considerada ótima pela Fifa e 100% dentro da visão recomendável

segunda-feira, 30 de agosto de 2010

2007: O capítulo mais triste do Corinthians



A História do Corinthians, contada em preto e branco, teve seu capítulo mais negro e doloroso em 2007. Nem mesmo a troca de técnicos, a queda de Alberto Dualib e a cobrança da torcida puderam evitar o rebaixamento do clube no Campeonato Brasileiro.

O fantasma do MSI assombrava dirigentes e jogadores a todo momento. Os treinos eram ofuscados pela presença da Polícia Federal no Parque São Jorge.

Após um empate por 1 a 1 com o Grêmio, no Olímpico, em 2 de dezembro, o pior foi inevitável: com dez vitórias, 14 empates e 14 derrotas (aproveitamento de 38,6%), o Timão não escapou da queda para a Série B do Brasileirão.

– Você pensa que é incapaz, insuficiente, que poderia ter feito melhor... Foi um sentimento de vergonha muito grande. Mas eu fiz o meu máximo. Tem coisas que precisavam acontecer para o clube mudar – disse o zagueiro Betão, capitão da equipe na campanha do Brasileirão.

Durante o Nacional, o clube foi comandado por Paulo César Carpegiani, o interino Zé Augusto e Nelsinho Baptista, técnico da queda. Um dos grandes erros foi a venda do meia Willian, o maior destaque do time, para o Shakhtar Donetsk (UCR), em agosto de 2007. Nem mesmo a chegada do ídolo Vampeta, fora de forma, pôde salvar uma queda anunciada.

Bate-Bola - Betão

Na campanha do rebaixamento, o Corinthians até liderou as primeiras rodadas...
Começamos bem, não faltava qualidade de grupo. Mas tem de se analisar a bagagem de cada jogador. Eram poucos que estavam preparados para suportar aquela pressão, lidar com a grandeza do clube, com a torcida de massa. Sofremos empates e derrotas no último minutos. Algumas coisas são inexplicáveis.

Você, apesar de jovem, era capitão e um dos mais cobrados pela torcida. Essa exposição atrapalhou você?
Alguns amigos até falavam para eu me esconder mais, evitar falar no momento ruim. Não sou assim. Não me escondia. Tinham outras pessoas no clube que poderiam fazer esse papel, mas não posso obrigar ninguém a fazer algo que não quer, não é?

Você se sentiu sozinho?
Não, eu poderia ter me esquivado. Outras pessoas poderiam ter colocado a cara a tapa, mas não posso exigir nada de ninguém. Tenho de fazer aquilo que acho certo.

Corinthians 2x1 Vitória




Ronaldo voltou, o Pacaembu lotou e o Corinthians venceu. Neste domingo, no último jogo antes da festa pelo aniversário de 100 anos do Timão, a Fiel viu o time vencer o Vitória por 2 a 1. O Fenômeno jogou até os 18 minutos do segundo tempo e ajudou na conquista dos três pontos, pela 17ª rodada do Campeonato Brasileiro. E o Alvinegro continua à caça do líder Fluminense.

Ronaldo, em sua primeira jogada, deu um susto na torcida. Quando o Vitória roubou a bola, o Fenômeno sentiu a coxa e ficou caído, mas voltou pouco tempo depois.

O Corinthians tinha o controle do jogo, mas o Vitória soube aproveitar as falhas da defesa alvinegra na primeira etapa e quase marcou em chute de Henrique, que acertou a trave.

O Timão não demorou muito para abrir o placar. Aos dez, Iarley desviou de cabeça cruzamento de Roberto Carlos e mandou para o gol. Apesar de melhor em campo, o Corinthians não criou muitas oportunidades. As chances foram em chutes de Bruno César.

Aos 47, o meio de campo alvinegro voltou a funcionar. Em rápida troca de passes, Paulinho aproveitou falha da defesa baiana e aumentou a vantagem corintiana.

O segundo tempo foi mais lento do que o primeiro. O Corinthians atacou com menos ímpeto e o Vitória com pouca qualidade. O resultado foi um jogo de raras oportunidades. Ronaldo ainda deu dois bons passes para Elias, que chutou para defesa de Viafara.

O Fenômeno acabou substituído por William Morais, enquanto Chicão, machucado, deu lugar ao estreante Thiago Heleno. As principais jogadas foram pelo lado esquerdo corintiano, com Roberto Carlos. O Vitória, por sua vez, tentou jogar nas costas do veterano para contra-atacar, mas sem sucesso.

Os baianos diminuíram o placar, em um lance que saiu de bola parada. Em cobrança de falta alçada na área, Kléber Pereira desviou de cabeça e mandou para o gol, aos 37. O Vitória ainda fez um segundo gol com Júnior, mal anulado pela arbitragem, que viu impedimento inexistente.

Assim, o Corinthians confirmou seu 100% de aproveitamento jogando em casa. Na próxima rodada, o jogo do Timão contra o Vasco foi adiado por conta das comemorações do centenário. Já o Vitória volta a campo no dia 1º de setembro contra o Inter, no Barradão.

FICHA TÉCNICA
CORINTHIANS 2 X 1 VITÓRIA

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 29/08/2010, às 16 horas
Árbitro: Célio Amorim (SC)
Assistentes: Márcia Lopes Caetano (Fifa-RO) e Marco Antônio Martins (SC)
Cartões amarelos: Chicão, Paulo André, Iarley e William Morais (COR); Evandro, Ricardo Conceição e Soares (VIT)
GOLS: Iarley, 10'/1ºT (1-0), Paulinho, 47'/1ºT (2-0), Kléber Pereira, 37'/2ºT (2-1)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão (Thiago Heleno, 18'/2ºT), Paulo André e Roberto Carlos; Paulinho (Boquita, 26'/2ºT), Jucilei, Elias e Bruno César; Iarley e Ronaldo (William Morais, 17'/2ºT). Técnico: Adilson Batista.

VITÓRIA: Viafara, Gabriel, Wallace, Thiago Martinelli e Eduardo; Vanderson (Kléber Pereira, 27'/2ºT), Bida (Evandro, 20'/2ºT), Ricardo Conceição e Renato (Soares, intervalo); Henrique e Junior. Técnico: Toninho Cecílio

domingo, 29 de agosto de 2010

Em 2006, terminava a parceria entre Timão e MSI

Sucesso, dinheiro, formação de um time dos sonhos, um título nacional. Pelo menos no início, esse era o resumo da parceria entre Corinthians e MSI (Media Sports Investiment), a terceira feita pelo presidente Alberto Dualib. Mas no fim, tudo mudou de figura e as melhores palavras para resumir esse período são: briga, caso de polícia, prisão e lavagem de dinheiro.

Uma relação que chegou ao fim em 2006. Se o contrato ainda estava em vigor, se Kia Joorabchian ainda permanecia com um certo poder, na prática a parceria com a MSI se encerraria nesse ano. As saídas de Tevez e Mascherano, transferidos para o West Ham (ING), foram os últimos atos de poder do iraniano.

Nem mesmo as chegadas simultâneas de Magrão, Amoroso e César, contratados para tentar “amenizar” a raiva dos torcedores com a perda dos argentinos, foram suficientes para manter a relação de Kia com Dualib, Nesi Curi & Cia.
O péssimo desempenho da equipe no Brasileirão daquele ano, que quase terminou em rebaixamento, já era uma demonstração de que MSI era passado no Parque São Jorge – contratação e intervenção do técnico Emerson Leão foram a salvação.

Em 24 de julho de 2007, a pá de cal. Em uma goleada histórica, por 247 votos a 0, o Conselho Deliberativo do Timão determina o término do acordo entre clube e empresa. Melhor para todos os corintianos!

O Adeus da Fonte Nova: Implosão nesta manhã




Cinquenta e nove anos de História foram ao chão neste domingo, em Salvador. O Estádio Octávio Mangabeira, a Fonte Nova, teve seu anel superior demolido às 10h27 - quase meia hora de atraso. A antiga construção dará lugar a uma nova praça esportiva destinada a receber jogos da Copa do Mundo de 2014 e as partidas de futebol dos Jogos Olímpicos de 2016.

Esta é a segunda fase da demolição da Fonte Nova. A primeira começou em junho, com o fim do anel do superior, vestiários e piscinas. Na terceira, acontecerá a limpeza da área e a derrubada da Tribuna de Honra.

Foram utilizados 700 quilos de explosivos nos 138 pilares revestidos de uma tela metálica para impedir que materiais fossem projetados ao redor do estádio.

A Fonte Nova está fechada desde novembro de 2007. No dia 25 daquele mês, parte da arquibancada do estádio cedeu aos 38 minutos do segundo tempo do jogo entre Bahia e Vila Nova-GO, pela Terceira Divisão do Campeonato Brasileiro, e sete pessoas morreram.

Mas o estádio tem páginas felizes durante sua existência. Em 12 de fevereiro de 1989, o segundo jogo da semifinal do Campeonato Brasileiro de 1988, entre Bahia e Fluminense, registrou o maior público do futebol nordestino. 110.438 pagaram para ver a vitória e a classificação do Tricolor Baiano por 2 a 1.

A nova arena poderá receber até 50.433 pessoas, com todos os assentos cobertos. Terá também 70 camarotes, restaurante, estacionamento com quase duas mil vagas, sala de imprensa, 81 sanitários, museu do futebol, um centro de negócios e lojas.

sábado, 28 de agosto de 2010

2005: Carlitos Tevez, ídolo nos braços da Fiel



Um título merecido, contestado pelos adversários e com um ídolo muito identificado com a Fiel. É dessa maneira que pode ser resumida a conquista do Campeonato Brasileiro de 2005, pelo Corinthians. Se não bastasse tudo isso, o título veio após muito sofrimento. E só pode ser comemorado após o apito final no último jogo.

O Nacional de 2005 ficou marcado por problemas fora de campo. Por conta de um esquema de resultados arranjado pelo ex-árbitro Edilson Pereira de Carvalho, 11 partidas foram anuladas e tiveram de ser disputadas novamente. Sem ter nada a ver com o assunto, o Timão se beneficiou.

Os corintianos, que haviam perdido para Santos (4 a 2) e São Paulo (3 a 2), usaram os jogos remarcados para se recuperar. De zerado nesses dois compromissos, o Alvinegro conquistou quatro pontos: vitória diante dos santistas (3 a 2) e empate contra os são-paulinos (1 a 1).

Isso sem contar que o Internacional, adversário direto na disputa do título, também teve duelos remarcados e perdeu pontos.

Em uma disputa muito acirrada com os gaúchos, o Corinthians só confirmou a conquista na última rodada. Mesmo com a derrota de 3 a 2 para o Goiás, a Fiel conseguiu comemorar. Isso porque, no mesmo dia, o Internacional perdeu para o Coritiba e não conseguiu alcançar o Alvinegro.

O destaque do Timão na conquista foi o argentino Carlitos Tevez. Principal contratação da parceria com o MSI, o atacante não decepcionou. Artilheiro da equipe na competição (19 gols), marcou em vários jogos importantes.

Se não bastasse, foi eleito o craque do campeonato. Na ocasião, ele desbancou o meia sérvio Petkovic, do Fluminense, e o atacante Rafael Sóbis, do Internacional.

Uma goleada para não esquecer

Além do título brasileiro, a temporada 2005 foi marcante para o torcedor corintiano por um outro motivo: a inesquecível vitória por 7 a 1 diante do Santos, no Pacaembu, durante o segundo turno do Brasileirão.

O destaque corintiano no duelo foi o atacante argentino Tevez. Ele foi o autor de três gols. Durante as comemorações, não faltou a cumbia, ritmo musical popular na Argentina e característico do camisa 10.

Rosinei, Nilmar (por duas vezes) e Marcelo Mattos também balançaram redes para o Timão.

Essa foi a maior goleada imposta pelos corintianos aos santistas no Brasileirão. Até hoje, essa vitória é lembrada pelos torcedores. Nos clássicos contra o Santos, a torcida estende uma faixa com dos dizeres: “Eterno 7 a 1”.

Ronaldo: 'Corinthians será o mais estruturado do país'

O anúncio do novo estádio e a iminente inauguração do Centro de Treinamento, no Parque Ecológico, farão do Corinthians o mais estruturado do país. Quem garante é Ronaldo Fenômeno, que faz parte da elaboração de boa parte das novidades que irão surgir nos próximos dias.

- O Corinthians perdeu muito tempo nas gestões anteriores. Com a grandeza desse clube, os projetos tinham que ter sido maior que contratar apenas jogadores. O clube não tinha CT, não tinha estádio. O clube estava atrasado em relação a uns clubes brasileiros, atrasado em relacao à Europa. CT, aliás, é uma grande receita, já que muitos jogadores são formados lá - afirmou Ronaldo, na manhã deste sábado.

- O Corinthians está recuperando isso, vai ganhar respeito e será o mais estrutura do pais - completou.



A inauguração do CT do Parque Ecológico será feita nos próximos dias. Em relação ao estádio, como anunciado pelo Governo paulista e a CBF, será palco da Copa do Mundo de 2014. Com isso, a expectativa é que seja inaugurado até 2013.

Corinthians lança camisa do Centenário no Parque São Jorge



A torcida do Corinthians já conhece a camisa do Centenário, que foi apresentada na manhã deste sábado, no Parque São Jorge. O novo uniforme é na cor bege, em alusão ao primeiro usado pelos jogadores, na década de 1910. O número é na cor preta, assim como os patrocinadores.

Ronaldo foi o único a falar durante a apresentação. Para delírio dos cerca de 4 mil torcedores que estão na Fazendinha, o Fenômeno falou em alegria e orgulho por vestir a camisa do Timão.

sexta-feira, 27 de agosto de 2010

Com 12%, SP registra menor índice de umidade do ar do ano



A cidade de São Paulo registrou às 15 horas desta sexta-feira, 27, 12% de umidade relativa do ar na estação automática do Mirante do Santana, na Zona Norte. O índice é o menor do ano, superando o recorde anterior de 13% registrado na quarta-feira, 25. O recorde histórico foi registrado no dia 14 de agosto de 2009, quando a estação marcou 10%.

Hoje, a capital paulista entrou em estado de alerta a partir do meio-dia pelo quinto dia seguido devido ao baixo índice.

A Defesa Civil recomenda que a população evite atividades ao ar livre e exposição ao sol entre as 10h e 17h e não pratique exercícios entre as 11h e 15h. É também aconselhável a ingestão de bastante líquido para não ter problemas de desidratação. A Defesa Civil alerta ainda para que as pessoas não coloquem fogo em terrenos baldios e vegetação seca, pois a baixa umidade relativa do ar pode aumentar as chances de incêndio nas pastagens e florestas.

Até Felipão está de SACO CHEIO dos porcú!!!



Galera não é por nada não!!!
Mas até o Felipão está de SACO CHEIO dos porcú!!!
Ontem após a MARAVILHOSA vitória do "grandioso" Atlético Goianiense por 3x0 em cima dos porcú, em pleno Pacaembú o técnico Felipão ficou de saco cheio.
Perceba na foto acima aonde está a mão dele!
O pior é que o diário Lance, (meu parceiro) publicou essa foto como capa do jornal no dia 27/08/2010, será que ninguém percebeu???
Felipão, vou dar um conselho de mano.
porcú e PACAEMBÚ não combinam, pô Felipão, Pacaembú é a casa da Fiel, se liga neh mané!!!

Abertura da Copa será em estádio do Timão



O novo estádio do Corinthians, que será construído no bairro de Itaquera, zona leste de São Paulo, será usado pela Confederação Brasileira de Futebol e pelo Governo de São Paulo como palco da abertura da Copa do Mundo de 2014.

A decisão foi tomada na tarde desta sexta, após uma reunião entre o governador paulista, Alberto Goldman, o presidente da CBF, Ricardo Teixeira, e o prefeito Gilberto Kassab, na cidade do Rio de Janeiro. A capacidade da nova arena corintiana será de 48 mil lugares. Po-
rém, na época do Mundial, duas arquibancadas móveis serão utilizadas atrás dos gols, com espaço para mais dez mil pessoas cada. Com isso, o estádio estará apto a receber a partida inaugural que, por imposi-
ção da Fifa, tem de ter mais de 65 mil lugares. Nesse caso, 68 mil.

O dinheiro para a construção estarà à cargo da Odebrecht, que investirá cerca de R$ 300 milhões na obra. A empresa vê duas maneiras de arrecadação desse montante: financiamento do BNDES, com isen-
ção fiscal, por meio da linha especial criada para a Copa (BNDES ProCopa Arenas) e a exploração dos direitos de nome do estádio (naming rights) por um prazo ainda a ser anunciado. Vale lembrar que a linha de financiamento do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social conta com, aproximadamente, R$ 4,8 bilhões para a construção e reforma dos estádios que serão utilizados no Mundial, durante o mês de julho.

O projeto do Fielzão, de acordo com o site Copa2014.org., estará a
cargo do escritório carioca CDCA, sob responsabilidade dos arquitetos
Aníbal Coutinho, Antonio Paulo Cordeiro e Lourenço Diegues. O trio
é responsável também pelo projeto da cidade de Natal (RN) e, recentemente, esteve em São Paulo para uma reunião emergencial, provavelmente, sobre o novo palco do Timão.

Andrés diz que trabalha por Copa sem Morumbi

O presidente do Corinthians, Andrés Sanchez, disse, em evento realizado em feira para estudantes em São Paulo, que sua primeira atribuição como presidente de um clube de futebol é impedir que o Estádio do Morumbi receba a Copa do Mundo.

- A primeira responsabilidade é deixar o Morumbi fora da Copa. A segunda é trazer a abertura para São Paulo - disse, após pergunta de estudante.

Andrés pretende anunciar até o fim do mês de setembro o projeto do estádio do Corinthians, mas negou que a nova arena seria utilizada para sediar a Copa do Mundo de 2014.

- O estádio do Corinthians é para os corintianos. Ele terá capacidade máxima de 45 mil pessoas e não serviria para a abertura da Copa - afirmou.

O Corinthians estuda projetos para construir seu estádio em Guarulhos ou Itaquera.

Adilson confirma Ronaldo contra o Vitória



Ele voltou. Após o treino da manhã desta sexta-feira contra a equipe sub-18, no qual fez um gol e deu uma assistência, Ronaldo foi confirmado por Adilson Batista entre os 11 titulares que enfrentam o Vitória no próximo domingo, às 16h, no Pacaembu.

Parado desde o dia 9 de maio, após a vitória por 2 a 1 sobre o Atlético-PR, na estreia do Brasileirão, o Fenômeno passou por um longo período de recuperação, principalmente de sua forma física. Depois de duras semanas de treinos o camisa 9 teve sua recompensa, jogará os primeiros 45 minutos da próxima partida.

Ronaldo joga. Vi uma melhora, uma dedicação. Conversei antes do treinamento, ele está se sentindo melhor e joga os primeiros 45 minutos de jogo - disse o treinador.

O Fenômeno deve entra no lugar de Jorge Henrique, que está suspenso. Dentinho, lesionado, continua fora da equipe.

2004: Corinthians salvo pelo adversário

Pior do que viver uma crise, é ser salvo de outra ainda maior por um grande adversário. Foi o que aconteceu com o Corinthians na temporada de 2004.

Após contratar um pacotão de reforços duvidosos composto por nomes como Adrianinho, Régis Pitbull, Samir, Rodrigo e até mesmo a volta de Rincón, aos 37 anos, o Corinthians realizou uma péssima campanha no Paulistão.

A competição foi disputada em dois grupos e o último colocada deles era rebaixado. Na última rodada, Corinthians, com 9 pontos e Juventus, com 8, figuravam nas últimas posições do grupo 1.
Mesmo sob os olhares dos quase 20 mil torcedores no Pacaembu, o Corinthians não conseguiu evitar a derrota por 1 a 0 para a Portuguesa Santista. Entretanto, a salvação corintiana partiu de um grande rival do Alvinegro.

Já classificado, o São Paulo encarou o Juventus com uma equipe mista e o herói corintiano foi o tricolor Grafite. O atacante marcou dois gols e garantiu a vitória do São Paulo, que assegurou a permanência do Timão na primeira divisão do Campeonato Paulista.

Recuperação
O desempenho ruim no Paulista e início também fraco no Brasileirão levaram à troca de treinador no Timão. Oswaldo de Oliveira saiu para dar lugar a Tite, que com uma retranca implantada no time, não foi ameaçado pela queda no Brasileirão e ainda levou o Corinthians a um honroso 5 lugar.

quinta-feira, 26 de agosto de 2010

2003: Grandes ilustres nutrem paixão pelo Corinthians

No dia 1 de janeiro de 2003, cerca de 150 mil pessoas viram, in loco, Fernando Henrique Cardoso passar o posto de presidente da República do Brasil para o recém eleito Luiz Inácio Lula da Silva.

O que nem todos sabiam é que o cargo mais importante do país continuaria em “mãos corintianas”, já que os dois políticos fazem parte dos 25, 8 milhões de torcedores do Corinthians que a 4 pesquisa LANCE-Ibope apontou.

Lula e FHC, apesar de seguirem ideologias diferente na política, são parceiros quando se trata da paixão pelo Corinthians. Em 2000, quando o clube conquistou o Mundial Interclubes da Fifa, Fernando Henrique prontamente parabenizou a equipe e demonstrou sua satisfação em ver seu time sagrando-se campeão do mundo.

Já Lula tem relação ainda mais estreita com o Corinthians. Além de ser conselheiro vitalício, Lula acompanhou de perto o time nos últimos anos. Após a conquista da Copa do Brasil de 2009, o presidente recebeu a equipe em Brasília e até levantou a taça de campeão. Sempre comentando sobre o Timão em seus compromissos oficiais, Lula também não se esquece de cobrar Ronaldo e o restante do elenco por resultados.

– Minha relação com o Corinthians é de paixão. O Corinthians não tem torcida, o Corinthians tem militância – disse o presidente ao jornalista Celso Unzelte, para o livro “Timão 100 anos”.

Mas quando se trata da paixão pelo Corinthians, os dois políticos são apenas mais dois integrantes da extensa categoria de “ilustres” da grande nação de torcedores.

Outros notáveis nomes (confira a relação ao lado) de diversos setores compartilham esse amor.

Seja na música, na política, na publicidade, na dramaturgia, na televisão, em outro esporte ou onde for, o Corinthians une seus torcedores em uma só paixão.

Mais um título paulista e queda na Libertadores

No Campeonato Paulista de 2003, o Corinthians conquistou mais um título, o 25 estadual de sua História. Na semifinal, o adversário foi o Palmeiras. Com um empate por 2 a 2 e uma vitória por 4 a 2, garantiu a vaga na decisão, contra o São Paulo.

Na primeira partida, vitória corintiana por 3 a 2. Na finalíssima, quem decidiu o jogo para o Corinthians foi Jorge Wagner que, atualmente, defende o São Paulo. O baiano marcou dois gols e Liedson fez mais um, repetindo o placar da primeira partida. Outra vitória e o título estadual para o Sport Club Corinthians Paulista.

Na Copa Libertadores, mais uma eliminação nas oitavas de final. Sob o comando do treinador Geninho, o Timão sofreu uma derrota para o River Plate (ARG), em Buenos Aires, por 2 a 1 impôs a responsabilidade de uma vitória no Morumbi.

Diante de mais de 60 mil torcedores, nova derrota por 2 a 1 e, novamente de virada, deram fim a mais um sonho dos torcedores de conquistar o título.

Corintianos ilustres:

Washington Olivetto (Publicitário)

Antônio Fagundes (Ator)

Bob Burnquist (Skatista)

Antônio Ermírio de Moraes (Empresário)

Luciano Huck (Apresentador de TV)

Leandrinho (Jogador de basquete da NBA)

Ayrton Senna (Piloto de Fórmula 1, falecido em 1994)

Dan Stulbach (Ator)

Hortência (Ex-jogadora de basquete)

Padre Marcelo Rossi (Sacerdote Católico)

Mazzaropi (Ator e diretor, que morreu em 1981)

Rubens Barrichello (Piloto de Fórmula 1)

Silvio Santos (Apresentador de TV e empresário)

Toquinho (Cantor)

Marília Gabriela (Apresentadora e atriz)

Dinho (Vocalista dos Mamonas Assassinas, morto em 1996)

Daiane dos Santos (Ginasta)

Cruzeiro 1x0 Corinthians



A disputa pela liderança do Campeonato Brasileiro e pelo Troféu Osmar Santos, dado pelo LANCENET! ao campeão do primeiro turno, ficou mais difícil para o Corinthians. Nesta quarta-feira, o Timão voltou a perder fora de casa, desta vez para o Cruzeiro, por 1 a 0, em Uberlândia e viu o Fluminense ficar cinco pontos à frente na tabela da competição

O único gol do jogo foi marcado por Montillo, logo no começo do primeiro tempo. Bruno César ainda perdeu um pênalti na etapa inicial, defendido por Fábio. O Timão soma 31 pontos, enquanto o Tricolor Carioca tem 36 pontos ganhos.

Jogando às 19h30, o Fluminense venceu o Goiás por 3 a 0 e manteve a sequência de vitórias no Brasileirão, que afastou ainda mais o Timão do rival. Agora, na próxima rodada, o Corinthians recebe o Vitória, domingo, no Pacaembu, enquanto o Cruzeiro visita o Vasco, sábado, em São Januário, no Rio de Janeiro. Já o Flu, recebe o São Paulo, também domingo, no Maracanã.

O jogo

O jogo foi em Uberlândia, mas pareceu que era no Pacaembu durante o primeiro tempo. Nos dez primeiros minutos o jogo ferveu. Primeiro com um gol perdido na cara de Julio Cesar por Wellington Paulista, que escorregou na hora da conclusão. No lance seguinte, cruzamento na área corintiana e a bola sobrou para Montillo, que chutou cruzado da esquerda e o goleiro do Timão aceitou. 1 a 0 Raposa.

Atrás do placar, o Corinthians partiu para cima. Aos 7 minutos, Jucilei tentou cruzar, mas a bola bateu no braço de Everton. Penalidade máxima! O meia Bruno César, oito gols no Brasileirão e grande destaque do time foi para bola e... defesa de Fábio.

A chance desperdiçada não desanimou o Timão. Dos dez minutos até o intervalo, o que se viu foi o Corinthians com a bola e o Cruzeiro tentando se defender. A diferença foi tanta, que em determinado momento o Alvinegro chegou a ter 80% da posse de bola. No entanto, esse domínio não resultou em gols. Roberto Carlos errou feio uma cobrança de falta, Iarley perdeu todas as bolas que lhe tocaram e Paulo André ainda meteu uma bola na trave, aos 38.

- Nunca vi o Cruzeiro jogar tão atrás assim... - reclamou Roberto Carlos, no intervalo.

E para incômodo do lateral-esquerdo do Timão, os mineiros continuaram atrás na etapa final. Aos 4 minutos, Bruno César foi derrubado dentro da área e o árbitro não marcou pênalti. A retranca do Cruzeiro foi tanta, que em determinados momentos os meias do Corinthians puderam parar a bola no meio e esperar alguém se aproximar, para então tocar.

Preocupado, o técnico Adilson Batista tirou o péssimo Iarley e o apagado Bruno César de campo para colocar Souza e o garoto William Morais. Mas não adiantou. O Cruzeiro continou atrás e o Timão cansou, mesmo tentando empatar até o último minuto. Foi a quarta derrota fora de casa do Corinthians no Brasileirão, que empatou cinco vezes e só conseguiu ganhar uma vez, do Grêmio, no Olímpico, na segunda rodada.

Domingo o torcedor corintiano reecontra o time no Pacaembu. Chance para voltar a vencer, voltar a ficar perto do líder Fluminense e, principalmente, voltar a ver Ronaldo em campo.

FICHA TÉCNICA
CRUZEIRO 1 X 0 CORINTHIANS

Estádio: João Havelange, Uberlândia (MG)
Data/hora: 25/8/2010 - 22h
Árbitro: Sandro Meira Ricci (DF)
Auxiliares: Ênio Ferreira de Carvalho (DF) e César Augusto de Oliveira (DF)
Renda/público: Não disponíveis
Cartões amarelos: Edcarlos, Everton, Wellington Paulista, Cláudio Caçapa, Henrique e Gil (Cruzeiro); Chicão, William Morasi e Jorge Henrique (Corinthians)
Cartões vermelhos: -
GOL: Montillo 2'/1°T

CRUZEIRO: Fábio; Cláudio Caçapa, Edcarlos, Gil; Jonathan, Henrique, Marquinhos Paraná, Montillo (Roger 43'/2°T), Everton (Pablo 27'/2°T); Wellington Paulista e Robert (Wallyson 33'/°) Técnico: Cuca

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, Paulo André e Roberto Carlos (Paulinho 32'/2°T); Ralf, Jucilei, Elias e Bruno César (William Morais 23'/2°T); Jorge Henrique e Iarley (Souza 16'/2°T). Técnico: Adilson Batista

quarta-feira, 25 de agosto de 2010

2002: Corinthians nas mãos do mestre Parreira

Ao longo de sua História quase centenária, apesar de grandes conquistas, o Corinthians sempre conviveu com crises e turbulências. Quase sempre, a “bucha” estourava no treinador. Em 2002, o carioca Carlos Alberto Parreira chegou ao clube paulista para acabar com esse estigma.

Mesmo sob o olhar desconfiado de muita gente, Parreira se encaixou muito bem no Corinthians. Implantou um sistema de jogo que valorizava extremamente a posse bola e ia ao ataque com muita prudência. Ao longo do trabalho, encontrou a formação ideal jogando com três atacantes: Leandro, Deivid e Gil. Este último também fazia parte de outro trio importante no time do Corinthians. Ao lado do lateral Kléber e do meia Ricardinho, formou o que Parreira classificou como o “melhor lado esquerdo do mundo”.

Com essa característica, o Corinthians conquistou o Torneio Rio-São Paulo e a Copa do Brasil.
O regional tinha outro formato, “turbinado” com 16 times, nove de São Paulo e sete do Rio. Na semifinal, a classificação veio ante o São Caetano. Já na decisão, um velho rival. No primeiro jogo, vitória sobre o São Paulo e um inesquecível drible de vaca de Gil no zagueiro Émerson. Na segunda partida, um empate e o título.

Apenas três dias depois, Parreira e o Corinthians comemoravam mais uma conquista. Após ter passado, novamente, pelo São Paulo na semifinal, o Timão bateu o Brasiliense, no Morumbi, e empatou no Distrito Federal. Era o segundo título de Carlos Alberto Parreira no clube paulista.

Mesmo perdendo peças fundamentais como Dida e Ricardinho, o Corinthians ainda conseguiu chegar à final do Campeonato Brasileiro. Na decisão, não conseguiu vencer o Santos de Diego e Robinho e o sonho da tríplice coroa não se realizou, por pouco.

Bate-Bola - Carlos Alberto Parreira - Em entrevista ao LANCENET!

‘Dirigir o Corinthians é como dirigir a Seleção’

LANCENET!: Por que se deu a decisão de aceitar trabalhar no Corinthians?
PARREIRA: Aceitei trabalhar no Corinthians porque, profissionalmente, seria muito bom. É um clube de massa, e quem trabalhou lá sabe que dirigir o Corinthians é como dirigir a Seleção Brasileira, pela responsabilidade.

LNET!: O time tinha um lado esquerdo forte, que o senhor classificou como o melhor do mundo.
P: E era mesmo. Não me lembro de ter visto um lado esquerdo melhor no mundo naquele momento. Futebol é momento, e naquele momento não havia trio (esquerdo) melhor do que Kléber, Gil e Ricardinho, que tinha qualidade, eficiência e inteligência. Não é fácil encontrar isso.

LNET!: O senhor se identificou muito com a torcida corintiana.
P: Com certeza. Até hoje, quando vou a São Paulo, sou muito bem tratado. Foi um período muito bom, tenho só boas lembranças.

LNET!: E a tranquilidade que o senhor conseguiu implantar no clube. Por que não houve crises?
P: Houve uma razão muito simples: não permitimos. Não perdemos dois jogos seguidos sequer. Era um ambiente de trabalho que dificilmente vou esquecer. Fui bem aceito pelo grupo, os jogadores eram bons profissionais. Eu não vou esquecer jamais. Era o tipo de trabalho que dá prazer de ir para o clube.

terça-feira, 24 de agosto de 2010

Torcida do Corinthians deve lotar estádio em Uberlândia

No primeiro dia de venda, os corintianos esgotaram a carga disponibilizada pela diretoria da Raposa. Em poucas horas, os dez mil bilhetes evaporaram das bilheterias do Estádio Parque do Sabiá e dos outros quatro pontos de venda.

Em fóruns da internet, principalmente nas redes sociais, a informação dos torcedores corintianos que moram na cidade e região é de que ingressos destinados aos cruzeirense já estavam sendo adquiridos pela Fiel, que, então, passaria a ocupar um dos espaços do rival.

A carga total é de 41 mil bilhetes, que deve ser 90% consumida. A movimentação durante esta terça-feira foi intensa, mas a Federação Mineira de Futebol e o Cruzeiro não divulgaram parcial atualizada – 14 mil no primeiro dia. Os ingressos custam R$ 20 (cadeira lateral), R$ 30 (cadeira central) e R$ 50 (cadeira especial).

Inaugurado em 27 de maio de 1982, o maior estádio da cidade tem capacidade para cerca de 60 mil pessoas. Recentemente, o palco foi revitalizado com pinturas, reformas, numeração da arquibancada, instalação de câmeras de segurança e elevadores para deficientes físicos.

Até agora, o Cruzeiro disputou 25 partidas na cidade, sendo 23 contra o Uberlândia e duas contra o XV de Novembro, conseguindo 14 vitórias, seis empates e sofrendo cinco derrotas. O aproveitamento é de 64%.

LOCAL DO JOGO

Cruzeiro x Corinthians

Estádio: Parque do Sabiá

Cidade: Uberlândia, Minas Gerais (635 mil habitantes)

Distância para Belo Horizonte: 550 quilômetros

Distância para São Paulo: 590 quilômetros

Pesquisa LANCE!: De acordo com a recente pesquisa LANCE!/Ibope, a Fiel é a quarta maior de Minas Gerais, atrás de Cruzeiro, Atlético-MG e Fla, com 5,5% da preferência

Chicão acerta com o Timão e renova por três anos

O Corinthians ganhou um reforço para as próximas temporadas. O clube não contratou nenhum novo jogador. Na verdade, a diretoria acertou a renovação de contrato do zagueiro Chicão por mais três anos.

As conversas entre o defensor e os dirigentes começaram no início do mês. O clube fez uma proposta de renovação por um um salário de R$ 120 mil/mês e R$ 800 mil de luvas (bonificação por renovação). Apesar de ter gostado do oferecido, o camisa 3 tinha uma ressalva: o tempo de contrato. Ele queria assinar por três temporadas. Já o clube, por duas.

Tudo foi resolvido após uma reunião dos empresários do jogador com o presidente do Timão, Andrés Sanchez, na noite de segunda-feira. O acordo foi selado nesta terça. Para oficializar, falta apenas a assinatura de Chicão, que está com o elenco em Uberlândia para a partida contra o Cruzeiro, nesta quarta.

O atual vínculo do defensor terminaria em 31 de dezembro deste ano. Agora, o acordo vale até o fim de 2013. Assim, a diretoria tem uma preocupação a menos. Isso porque, o camisa 3 não é o único que poderia deixar o time. Aos 34 anos, William pode encerrar a carreira no fim da atual temporada.

2001: O gol corintiano que ninguém esquece

Eram jogados 48 minutos do segundo tempo no Morumbi. Segunda partida da semifinal do Campeonato Paulista de 2001. O Santos jogava pelo empate. O placar, 1 a 1. Apesar de tudo parecer definido, nenhum corintiano ousou ir embora do estádio. A torcida alvinegra permaneceu apoiando o time. E, no fim, acabou sendo recompensada.

Faltando apenas 30 segundos para o jogo acabar, Gil arrancou pela esquerda, cortou André Luís e tocou para o meio da área. Em um lapso de genialidade, Marcelinho deixou a bola passar, fraternalmente, e Ricardinho apareceu batendo da entrada da área.

Gol do Corinthians. Gol salvador. O Timão estava na final do Paulistão. Enquanto os santistas choravam a desclassificação, o Corinthians comemorava a vaga na decisão.

Incrível arrancada
Sob o comando de Darío Pereyra, o Corinthians teve um péssimo início no Paulistão. Após conquistar apenas um ponto em nove possíveis, o uruguaio foi demitido, dando lugar a Vanderlei Luxemburgo.

Na estreia do treinador no Estadual, vitória por 2 a 1 contra o Palmeiras. Em seguida, uma sequência de sete vitórias consecutivas e a classificação assegurada para a fase final. Uma arrancada incrível.

Após passar pelo Santos na semifinal, o Timão encarou o Botafogo-SP na decisão. Na primeira partida, 3 a 0. Na volta, empate sem gols e mais um título para o clube

segunda-feira, 23 de agosto de 2010

2000: O mundo é do Corinthians



14 de janeiro de 2000. Esta data com certeza ficará marcada na memória de todo corintiano. Na presença de 75 mil torcedores no Maracanã, o Corinthians venceu o Vasco e sagrou-se campeão do mundo.

No primeiro torneio mundial de clubes organizado pela Fifa, Corinthians, Vasco, Manchester United (ING), Real Madrid (ESP), Al-Nasser (SAU), Raja Casablanca (MAR), Necaxa (MEX) e South Melborne (AUS) foram os representantes das forças do futebol mundial.

Sob o olhar de mais de 150 países que acompanharam a competição pela TV, o Corinthians conquistou seu maior título.

Com sede em São Paulo, o Corinthians recebeu o Raja Casablanca, no Morumbi, pela primeira partida do grupo A. Com gols de Luizão e Fábio Luciano – ajudado pela forcinha do juiz italiano Stefano Braschi, já que a bola não entrou – o Timão conquistou sua 1ª vitória.

Na sequência, o jogo mais esperado pelos corintianos na primeira fase. Em uma partida histórica e emocionante, o Corinthians empatou em 2 a 2 com o Real Madrid de Roberto Carlos, hoje no Timão.
Destaque para Edílson, que marcou os gols alvinegros, e Anelka, descontando para os madrilenhos.

Na terceira partida, nova vitória e classificação. Para ir à final, o Corinthians precisava de dois de diferença ante o Al-Nasser. Os gols de Ricardinho e Rincón levaram o Timão à grande final, disputada no Maraca.

No grupo B, com três vitórias, o Vasco havia assegurado a outra vaga na decisão. E jogaria em casa.
Na grande final, cerca de 25 mil corintianos foram ao Rio de Janeiro. Durante o tempo normal, nenhum gol. A decisão foi para os pênaltis.

Na meta corintiana, Dida, grande pegador de pênaltis, levava confiança à torcida alvinegra. Após uma cobrança desperdiçada para cada lado – Gilberto (VAS) e Marcelinho (COR) – a bola do título estava nos pés de Edmundo. O atacante bateu para fora e o Timão conquistou o Mundo.

Os 24 campeões

Goleiros
(1) Dida
(12) Maurício
(15) Yamada

Zagueiros
(3) Adílson
(16) Fábio Luciano
(4) João Carlos

Laterais
(2) Índio
(13) Daniel
(6) Kléber
(19) Augusto

Meias
(8) Rincón
(5) Vampeta
(20) Edu
(23) Gilmar Fubá
(14) Márcio Costa
(21) Marcos Senna
(7) Marcelinho Carioca
(11) Ricardinho

Atacantes
(10) Edílson
(9) Luizão
(17) Fernando Baiano
(18) Dinei
(22) Luiz Mário

Técnico
Oswaldo de Oliveira

A lembrança dos heróis

Edílson - Atacante
“Foi maravilhoso! Estava em uma fase muito boa, fui eleito o melhor jogador. Isso ficou marcado, uma das melhores coisas da minha carreira”

Fábio Luciano - Zagueiro
“Fiz a minha estreia no Mundial, e já fiz gol logo de cara. Não era líder ainda, até tomava puxão de orelha de Vampeta e Edílson (risos)”

Luizão - Atacante
“O mais curioso foi a nossa torcida calar o Maracanã. Havia muito mais vascaínos, e os corintianos fizeram mais barulho. Estão de parabéns”

Marcelinho- Meia
“Foi a segunda invasão da torcida no Maracanã. Estávamos exaustos, sem pernas... Tiramos força de onde não tínhamos”

Oswaldo Oliveira - Técnico
“Sabíamos que o corintiano iria para o Rio. Quando subimos o túnel, vimos que a torcida era muito grande. Eles nos ajudaram demais”

Rincón - Volante
“A superação do Corinthians no final foi muito grande e isso nos fez crescer ainda mais. Foi um título que valeu a pena nos esforçarmos”

Árbitra morre após cirurgia para colocar silicone nos seios



A árbitra goiana Nara Cintia, 28 anos, morreu nesta segunda-feira em decorrência de uma infecção hospitalar por conta de uma intervenção cirúrgica para aumentar os seios. Naira, que pertencia ao quadro da Confederação Brasileira de Futebol (CBF), deixou um filho.

Após reclamação, árbitro assassina jogador no Ceará

Um árbitro de futebol amador assassinou a facadas um jogador e feriu outro na tarde do último domingo, em Cajueiro, zona rural de Barreira, a 72 km de Fortaleza, no Ceará.

O motivo? O árbitro Francisco Édio Gregório Chaves, que está foragido segundo a polícia, e, segundo testemunhas, entrou em campo com a faca na cintura, discutiu com alguns jogadores por conta da não marcação de uma falta na partida, cometeu o crime e fugiu.

A partida, que fazia parte de uma liga de futebol amadora da localidade, era disputada pelos times de Barreira e Redenção. Francisco José Ramos da Silva, de 26 anos, jogador do Redenção, foi atingido no peito, chegou a ser levado ao hospital, mas não resistiu e faleceu.

Francisco das Chagas Lopes da Silva (24 anos), irmão do falecido e também jogador do Redenção, foi ferido pelo árbitro, mas já recebeu alta e não corre risco de morte.

domingo, 22 de agosto de 2010

CORINTHIANS 3x0 bicharada



O tabu do Majestoso agora soma dez partidas a favor dos corintianos, que não sabem o que é derrota para o São Paulo desde 2007. Com extrema tranquilidade, o Timão fez 3 a 0 - dois gols de Elias -, no Pacaembu, neste domingo, e termina a 15ª rodada do Campeonato Brasileiro a apenas dois pontos do líder Fluminense, que empatou em 2 a 2 com o Vasco, no Maracanã.

Treinador interino até o fim do ano, Sérgio Baresi segue sem triunfar no comando do clube do Morumbi, que ocupa a 15ª colocação e está a dois pontos da zona de rebaixamento. Ele havia estreado com um empate com o Cruzeiro, dentro de casa.

Desde o apito inicial de Wilson Luiz Seneme, o Alvinegro teve amplo domínio do jogo, obrigando Rogério Ceni a fazer a primeira defesa logo aos 53 segundos em cruzamento de Jorge Henrique. Cinco minutos depois, William, mesmo desequilibrado, obrigou o goleiro são-paulino a fazer nova intervenção.

A única oportunidade do Tricolor na primeira etapa aconteceu mais por um vacilo de William, aos dez minutos. Ricardo Oliveira invadiu a área e chutou cruzado. A bola tirou tinta da trave direita de Julio Cesar. A partir daí, só deu Corinthians.

Aos 21 minutos, Elias aproveitou a liberdade na intermediária dada por Casemiro e chutou com força rasteiro, no canto esquerdo de Rogério: 1 a 0 no Pacaembu. Antes do intervalo, Bruno César abriu jogada para Jorge Henrique, que cruzeiro rasteiro para Elias - de novo - marcar. Tudo isso sob os olhares de Mano Menezes, técnico da Seleção Brasileira, que não convocou o volante corintiano para vestir a amarelinha

Para tentar mexer com os ânimos do São Paulo, Baresi trocou Rodrigo Souto por Richarlyson e Marlos por Marcelinho na volta dos vestiários. Não teve efeito nenhum. Aos quatro minutos, Miranda quase fez gol contra, de cabeça, em recuo de bola.

Quando o cronômetro marcava 14 minutos da etapa complementar, o Tricolor desafogou e Marcelinho, que entrara no lugar do apagado Marlos, chutou de fora e a bola passou perto do travessão de Julio Cesar.

Depois de lindo voleio de Bruno César, aos 25, que terminou em linda defesa de Rogério Ceni, Jorge Henrique ergue a bola na área e Jucilei subiu de cabeça para sacramentar a vitória do Corinthians.

O Timão volta a campo na quarta-feira, às 22h, quando enfrenta o Cruzeiro, em Minas Gerais. Já o São Paulo enfrenta o Vasco, no Morumbi, no mesmo dia.

FICHA TÉCNICA:

CORINTHIANS 3 X 0 SÃO PAULO

Estádio: Pacaembu, São Paulo (SP)
Data/hora: 22/8/2010 - 18h30
Árbitro: Wilson Luiz Seneme (Fifa-SP)
Auxiliares: Emerson Augusto de Carvalho (Fifa-SP) e Danilo Ricardo Maniz (SP)
Renda/público: R$ 848.207,00 / 28.159 pagantes
Cartões amarelos: Jucilei (COR); Miranda (SPO)
GOLS: Elias, 21'/1ºT (1-0) e 44'/1ºT (2-0); Jucilei, 25'/2ºT (3-0)

CORINTHIANS: Julio Cesar, Alessandro, Chicão, William e Roberto Carlos (Edu, 36'/2ºT); Ralf, Jucilei, Elias (Paulinho, 30'/2ºT) e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley (Souza, 23'/2ºT). Técnico: Adilson Batista.

SÃO PAULO: Rogério Ceni, Jean, Xandão, Miranda e Junior Cesar (Sergio Mota, 43'/2ºT); Casemiro, Cleber Santana, Rodrigo Souto (Richarlyson, intervalo) e Marlos (Marcelinho, intervalo); Ricardo Oliveira e Fernandão. Técnico: Sergio Baresi.

Timão: o único mandante invicto na temporada



A qualidade da equipe vice-líder do Brasileirão e o tabu de três anos e meio (nove jogos) não são os únicos obstáculos corintianos que terão de ser enfrentados pelo São Paulo hoje à tarde. A força do Timão no Pacaembu também é um fator que joga a favor de Adilson, Chicão & Cia.

Em 2010, o Alvinegro mandou 19 partidas no estádio municipal, com 17 vitórias, dois empates e um aproveitamento impressionante de 92,98%. Até mesmo quando foi visitante, o Corinthians não perdeu – como ocorreu recentemente contra o Palmeiras.

De todos os clubes da Série A, o Corinthians é o único que não foi derrotado em seus domínios na temporada. Adilson Batista comemora.

– A torcida está ao lado do time, parece que canta até mais quando a gente toma um gol – disse o técnico.

1999: Esquadrão inesquecível do Corinthians

Luxemburgo deixou o Parque São Jorge em dezembro de 98 para assumir à Seleção. Além do título brasileiro, o treinador deixou um legado importante ao sucessor, que soube administrar vaidades e problemas e acabou na História!

Em 99, Oswaldo de Oliveira fez do Corinthians uma referência de bom futebol, com alegria e coragem de atacar os adversários. O meio-de-campo faz parte da memória de qualquer torcedor, com Rincón, Vampeta, Marcelinho e Ricardinho. Não havia brucutus, não havia marcadores. Havia, sim, bom futebol e toque de bola.

O fruto de tantos talentos reunidos não poderia ser outro: vitórias expressivas, inclusive com seus rivais, e a conquista de dois títulos, um em cada semestre.

O Paulistão veio primeiro. Após passar como um trator pelo São Paulo na semifinal, com direito a uma goleada por 4 a 0, a equipe de Oswaldinho não perdoou o arquirrival Palmeiras, desfocado pela decisão da Libertadores. Goleada no primeiro jogo, por 3 a 0, e empate por dois gols no jogo decisivo, que ficou marcado ainda pelas embaixadinhas de Edílson. A provocação do Capetinha desencadeou uma das piores brigas de jogadores dos dois eterno rivais.

A máquina ganharia os reforços de Dida e Luizão após o Estadual. O que já estava ruim para os adversários, ficaria ainda pior. A conquista do título brasileiro, bicampeonato para o clube, seria a consequência. Na semifinal, mais uma vez o Tricolor do Morumbi pelo caminho. E mais felicidade para a Fiel, que viu seu time vencer as duas primeiras partidas, evitando o terceiro confronto.

Na decisão contra o Atlético-MG, susto em Minas Gerais (2 a 3), mas confirmação da superioridade no Morumbi, com uma vitória (2 a 0) e um empate (0 a 0).

Aquele time não era um time. Era uma verdadeira máquina...

Com a palavra, Freddy Rincón: "Aquele time aliava técnica e qualidade"

"A verdade é que éramos um time muito consciente, que aliava técnica com qualidade. Até mesmo pelas características dos jogadores, o que mais se presava era ter a bola, uma característica que tínhamos individualmente.

O Oswaldo assumiu o time e deu sequência ao trabalho do Luxemburgo. Era um estilo que o time inteiro já conhecia e, com isso, cada jogador que chegava se encaixava facilmente no esquema.

Se teve outro time melhor, eu não sei. Mas a partir dali, muita coisa mudou. Eles se basearam na gente para montar outros times. Assim vemos que foi importante."

sábado, 21 de agosto de 2010

1998: Estrangeiros no Corinthians



Um capitão, o líder de um time, precisa, antes de tudo, saber se comunicar com a equipe. Mas, e se ele não falar português? Dois ídolos corintianos provaram que liderança não tem nacionalidade.

O paraguaio Carlos Gamarra chegou ao Corinthians, em 1998, sem muita badalação, mas saiu do clube como um dos melhores zagueiros do futebol mundial.

Conseguiu a incrível proeza de disputar a Copa do Mundo – ainda como jogador corintiano – sem fazer sequer uma falta. Foram 724 minutos, equivalente a oito partidas, sem cometer uma infração.

Com a camisa alvinegra também fez História. Foi o capitão e líder da equipe que conquistou o Campeonato Brasileiro de 1998. Extremamente técnico, Gamarra parecia prever as jogadas dos atacantes adversários, pois era perfeito nos desarmes que realizava.

Sua identificação com o clube é tão grande que mesmo após ter defendido o Palmeiras, ainda é considerado um ídolo alvinegro.

O capitão do mundial
Com a saída de Gamarra, que foi para o futebol europeu, outro estrangeiro herdou a braçadeira de capitão. Após brilhar pela seleção colombiana – disputou três Copas do Mundo – como meia, no Corinthians Rincón se transformou em um volante e viveu seu melhor momento. Sempre cadenciando o jogo no meio campo, formou uma dupla de volantes inesquecível ao lado de Vampeta e, com Marcelinho e Ricardinho, um dos melhores meios de campo da História do Corinthians.

Na maior conquista do clube paulista, o Mundial de clubes da Fifa, foi Freddy Eusébio Rincón quem levantou a gloriosa taça.

O camisa 8 foi outro jogador idolatrado que defendeu um rival corintiano. Apesar de sua passagem sem brilho pelo Santos, Rincón ainda é um ídolo do Timão.

Bate-Bola - Gamarra
Em entrevista ao LANCENET!

‘É um privilégio poder ser lembrado entre os melhores’

LANCENET!: O que o Corinthians representou na sua carreira profissional?
GAMARRA: Foi muito importante. Consegui títulos, um Brasileirão. Foi muito bom na minha carreira ter jogado pelo Corinthians.

LNET!: Foi seu melhor momento?
G: Praticamente minha preparação toda para a Copa do Mundo foi no Corinthians. O grupo que tínhamos conseguia fazer maravilhas. Assim, pude mostrar o meu trabalho e me destacar.

LNET!: Você acha que ficou pouco tempo no Corinthians? Era mesmo a hora de sair do clube?
G: Você sabe como é quando aparece uma oferta boa, né? Muitas vezes o jogador tem de sair para aproveitar o momento, mesmo, e o meu momento era aquele. Mas, para mim, foi maravilhoso compartilhar esse período com o clube e com a torcida corintiana.

LNET!: A torcida marcou você?
G: A torcida é maravilhosa. Para mim, é a melhor torcida que tem no Brasil. Sempre está apoiando, cobrando, é uma torcida maravilhosa, e está aumentando, pois a cada dia nasce um corintiano.

LNET!: Como é ser lembrado, quase que de forma unânime, como um dos melhores zagueiros do time?
G: É muito importante para um clube fazer 100 anos. Entre grandes jogadores, é um privilégio, para mim, compartilhar com outros heróis essa lembrança e ser lembrado entre os melhores.

Os corintianos Estrangeiros

Ano/Nome(País)/Posição

34/40 - Hungarês (HUN) - goleiro
43/44 - Graham Bell (URU) - zagueiro
61/62 - Espanhol (ESP) - atacante
65 - Alex (POL) - atacante
65 - Adnan (LIB) - meia-direita
74 - Buttice (ARG) - goleiro
76 - Hector Veira (ARG) - meia
78/92 - Taborda (URU) - zagueiro
82 - González (URU) - zagueiro
85 - Hugo De León (URU) - zagueiro
94 - Hashimoto (JAP) - meia-direita
96 - Villamayor (PAR) - lateral-direito
96 - Mark Williams (AFS) - atacante
97 - Freddy Rincón (COL) - volante
98 - Carlos Gamarra (PAR) - zagueiro
01 - Ávalos (ARG) - zagueiro
02 - Santiago Silva (URU) - atacante
05 - Carlitos Tevez (ARG) - atacante
05 - Sebá (ARG) - zagueiro
05 - Mascherano (ARG) - volante
06 - Johnny Herrera (CHI) - goleiro
07 - Juan Carlos Arce (BOL) - atacante
08 - Cristian Suárez (CHI) - zagueiro
08 - Acosta (URU) - meia-atacante
08 - Herrera (ARG) - atacante
09 - Escudero (ARG) - lateral
09 - Balbuena (PAR) - lateral-direito
09 - Matías Defederico (ARG) - meia
10 - Aldo Bobadilla (PAR) - goleiro

sexta-feira, 20 de agosto de 2010

Nervoso, Thiago Heleno é apresentado no Parque São Jorge

Thiago Heleno, enfim, foi apresentado no Parque São Jorge. Na manhã desta sexta-feira, o zagueiro vestiu a camisa do Corinthians pela primeira vez e, um tanto quanto nervoso, respondeu a cerca de dez perguntas.

O novo defensor falou sobre a expectativa de ser titular, concordou com a dificuldade de desbancar Chicão e William, que estão atuam juntos pela terceira temporada, e também agradeceu aos elogios de Adilson Batista, que foi seu treinador por dois anos no Cruzeiro.

Thiago Heleno teve seus direitos econômicos comprados pelo Grupo HAZ, que repassou seus direitos federativos ao Corinthians por um período de dois anos. Os valores da negociação não foram divulgados, como virou praxe quando a empresa de Fernando Hidalgo, Gustavo Arribas e Pini Zahavi está envolvida.
Acompanhe os principais trechos da entrevista do novo reforço do Timão:

EXPECTATIVA

"Eu estou muito feliz de poder representar o Corinthians a partir de hoje. Espero fazer meu trabalho da melhor maneira. Estava no Cruzeiro que era uma equipe grande, mas o Corinthians é um dos maiores do mundo. Espero ser feliz aqui".

NERVOSISMO

"Dá um friozinho na barriga, claro. Quem chega ao Corinthians, chega ansioso, nervoso. Qualquer um que veste essa camisa se sente um pouco assim".


ELOGIOS DE ADILSON BATISTA

"Eu fico feliz pela confiança do Adilson, mas tenho de trabalhar, não parar por aqui, espero ganhar jogando, treinando, na lealdade. Isso ele deixou bem claro. Não tem porque ficar acomodado, vai jogar quem estiver melhor. Eu estou trabalhando fisicamente há quatro semanas, espero que na próxima semana já esteja à disposição."

CHICÃO E WILLIAM

"Eu estou é feliz de estar aqui, né? De poder trabalhar ao lado deles. Saber que eles estão entrosados é melhor do que cada um no seu canto. Espero ter minha chance para poder jogar."

ÍDOLO E ESPELHO

"Eu acompanho muito o Lúcio, da Inter de Milão (ITA), para fazer coisas boas."

ESTILO

"Eu sou um pouco de tudo, vim para aproveitar minha chance."

LIBERTADORES-11

"Objetivo agora é terminar o Brasileiro bem, ser campeão. Libertadores é no ano que vem. Meu sonho é disputar mais uma vez essa competição, ser campeão e ser feliz."

POSICIONAMENTO EM CAMPO

"No Cruzeiro, eu jogava pela esquerda com o Adilson. Sou destro, mas se precisar estou disposto a ajudar."

1997: A primeira parceria do Corinthians



Um grande investidor para trazer dinheiro ao clube e por meio dele, grandes contratações. Nos dias de hoje, isso é normal no futebol, entretanto, em 97, ainda não era.

Foi o ano em que o Corinthians firmou sua parceria com uma empresa, o Banco Excel Econômico. O novo parceiro do Timão estampou sua marca na tradicional camisa alvinegra e também trouxe grandes contratações para o time.

Após ver o rival Palmeiras dominar a década de 90, alçado também por uma parceria, a Parmalat, o Timão resolveu firmar seu acordo.

O primeiro grande reforço que chegou ao Parque São Jorge foi o artilheiro do Botafogo, Túlio Maravilha. O atacante vestiria a camisa 12, em função de ações de marketing do Banco. Além dele, também vieram outros nomes. Entre eles, Fábio Augusto, Donizete Pantera, André Luiz e Antônio Carlos.

A curto prazo, a associação do time à instituição financeira foi boa. O Timão conquistou o Campeonato Paulista após várias goleadas na primeira fase, como um 8 a 2 no Guarani e um 5 a 2 no Palmeiras.

No quadrangular final, vitórias sobre Santos e Palmeiras e um empate ante o São Paulo garantiram ao Corinthians seu 22 título.

No Brasileirão porém, o time sofreu para não cair e só confirmou a permanência na última rodada.

Com a venda do Banco Excel a um grupo, a parceria foi desfeita.

Reforços do ‘Banco’

Túlio
Vindo do Botafogo, pelo qual era artilheiro, foi a maior contratação no ano.

Donizete
Com ajuda da parceira, o Pantera foi repatriado e chegou a fazer 15 gols.

André Luiz
Revelado no São Paulo, fez o gol do título.

Fábio Augusto
Destacou-se no Guarani e foi pretendido por vários clubes. Fechou com o Timão.

quinta-feira, 19 de agosto de 2010

1996: Glórias corintianas longe dos gramados

Em 1996, o futebol do Corinthians conquistou apenas o troféu Ramón de Carranza, na Espanha. Porém, o clube paulista provou que não é um feito apenas do futebol.

Sob a batuta de Oscar Schimdt, o Corinthians conquistou o Campeonato Nacional de basquete e também chegou a ser vice-campeão sul-americano. Com uma parceria com empresa Multi Sports, o basquete corintiano voltou a ser competitivo, relembrando glórias vividas pelo esporte no passado.

Na década de 60, o esquadrão formado Edvar, Angelim, Wlamir Marques, Rosa Branca, Ubiratan, Amaury, Borbola, Luizinho, Braz, Mical, Renê, Ortiz, Gilberto e Pedro Ives fez História. Conquistou o sul-americano, a Taça Brasil, foi vice-campeão do Mundial Interclubes e ficou imortalizada como uma
das melhores equipes do mundo.

Tal destaque, também foi alcançado no remo. O esporte, implantado em 1933 no clube, influenciou tanto o Corinthians, que até o escudo do time foi transformado. Na década de 70, com a inauguração da raia olímpica da Cidade Universitária, o clube criou seu segundo pólo para desenvolver a modalidade. O remo é um dos esportes mais tradicionais do Timão, tetracampeão mundial na categoria master.

No futsal, o Corinthians também faz bonito. Octacampeão metropolitano, em 2010 formou grande equipe, com estrelas da Seleção.

quarta-feira, 18 de agosto de 2010

1995: Corinthians: Demolidor de Gigantes

Em 1995, duas equipes despontavam como potências no futebol brasileiro. O Grêmio, de Felipão, às vésperas de ser campeão da Libertadores da América e o Palmeiras, da era Parmalat, atual bicampeão brasileiro. Mesmo sem a mesma badalação dos rivais, o Corinthians venceu as duas equipes e sagrou-se campeão do Paulistão e da Copa do Brasil, consagrando uma temporada quase perfeita.

Na Copa do Brasil, após passar por Operário-MT, Rio Branco-AC, Paraná e Vasco, o Corinthians iria enfrentar o temido Grêmio na final da competição. Favorito, o time de Luis Felipe Scolari, Arce e Jardel, já havia conquistado a competição no ano anterior.

Na primeira partida, no Pacaembu, a vitória do Corinthians por 2 a 1, com gols de Viola e Marcelinho, não refrescavam a situação em Porto Alegre, já que uma vitória do Grêmio deixava o título no Rio Grande do Sul. Entretanto, em mais uma partida de destaque de Marcelinho, o meia marcou o gol que garantiu o título e a vaga corintiana na Libertadores de 96.

Dois meses depois, o Grêmio sagrou-se campeão da Libertadores e valorizou ainda mais a grande conquista do Corinthians, que se tornou primeira equipe paulista a vencer a Copa do Brasil.

No Campeonato Paulista, mais uma vez sob a batuta do decisivo Marcelinho Carioca, o Timão teria enfim um triunfo sob o Palmeiras da era Parmalat. Após a parceria milionária da equipe de Palestra Itália, o Corinthians já havia perdido três finais para o rival (Paulistão e Rio-São Paulo, em 93, e Brasileirão em 94). No Campeonato Paulista de 95 o Timão foi à forra. Na primeira decisão, empate por 1 a 1, gol de Marcelinho. Na finalíssima, após o Palmeiras abrir o placar, uma magistral cobrança de falta do camisa 7, e um gol de Elivélton na prorrogação deram o título ao Timão.

Carnaval e Copinha: o ano quase perfeito

As glórias do Corinthians em 1995 não se restringiram apenas ao futebol profissional. Depois de 25 anos de jejum, o Timão ficou com o título da Copa São Paulo de Futebol Júnior, em janeiro, abrindo a temporada com uma conquista. Com uma vitória por 1 a 0, na prorrogação, sobre a Ponte Preta, após empate por 2 a 2 no tempo normal, o ano alvinegro já começava de maneira vitoriosa.

Em seguida, mais uma conquista, mas agora nas quadras de samba, e não nos campos de futebol. A Gaviões da Fiel também bateu outros favoritos na disputa do grupo especial das escolas de samba de São Paulo e levou a taça do Carnaval.

Com o samba-enredo “Coisa boa é para sempre”, o Corinthians quase fechou a temporada de maneira perfeita, faltando apenas o Brasileirão:

“Me dê a mão, me abraça/ Viaja comigo pro céu/ Sou Gavião, levanto a taça/ Com muito orgulho pra delírio da Fiel”, dizia a letra do samba.

Por medo, só 1% do Brasil vai a estádio

De cada cem brasileiros, apenas um frequenta estádios. Esse resultado foi obtido por uma pesquisa realizada pelo Instituto Análise, de São Paulo, a pedido do LANCE!.

Oresultado mostra que os clubes brasileiros têm diante de si um mercado imenso para atrair novas pessoas às partidas de futebol.

Atualmente, a média de público dos campeonatos do Brasil não passa de 40% da capacidade dos estádios. Na maioria dos torneios, a média mal passa de 10% ou fica aquém.

Em2004, aPesquisa LANCE!-Ibope mediu pela segunda vez as razões que afastavam os torcedores do estádio.Pela segunda vez, o motivo mais apontado, disparado, foi a violência das torcidas. E o índice de respostas passou de 61% para 79%, muito além do segundo colocado (preço do ingresso, 36%) e mais ainda do terceiro (as transmissões pela TV, 23%) Desde então, a violência no futebol cresceu entre 2005 e 2008 e despencou desde o início de 2009. No primeiro período, em três dos quatro anos, ocorreram ao menos sete mortes, mais do que em qualquer outro ano com registro. Mas nos últimos 18 meses, a média caiu a duas mortes por ano. E a tendência, com a aprovação do novo texto do Estatuto do Torcedor, é baixar mais ainda.

Mas nesse período, houve uma explosão dos preços dos ingressos. O arquibancada passou de R$ 10 ou menos para pelo R$ 20 e até R$ 40.

Brasileiros querem a extinção das organizadas

Para muitos torcedores, em geral os mais jovens, elas são uma febre. Têm suas próprias camisas, cantos e gritos de guerra, organizam eventos paralelos, pressionam as diretorias, técnicos e jogadores, e, em alguns casos, têm mais filiados que o próprio clube: são as torcidas organizadas. Mas para a maioria dos torcedores, elas são mesmo uma doença, porque sua fama extrapolou a paixão pelo time, e festa nas arquibancadas, e se estendeu a brigas e a violência em dias de jogos, tanto dos estádios, quanto nos arredores.

Por isso, a maioria dos brasileiros é a favor da extinção dessas torcidas.

Segundo a 4ª Pesquisa LANCE!-Ibope, 60% são contra a existência desse tipo de torcida, enquanto apenas 30% defendem sua permanência.

Dez por cento dos entrevistados não têm opinião formada sobre o assunto ou não quiseram responder.

Os homens mais são mais favoráveis às torcidas do que mulheres. Entre os homens, a decisão é mais acirrada: 58% são a favor da extinção e 35% são contra. Entre as mulheres, aumenta a diferença entre a opção pelo fim das organizadas e sua permanência: 62% acham que deveriam ser extintas, enquanto apenas 26% defendem sua permanência.

RAIO X DA POLÊMICA

Na faixa que vai dos 10 aos 15 anos de idade, 44% defendem a existência das facções, quase empatando com o outro lado. Já os mais velhos tem visão oposta. Dos que tem mais de 50 anos, 68% apóiam a extinção dos grupos organizados.

Entre as classes sociais, há pouca variação nas respostas e a opção pela extinção se mantém. A Pesquisa indicou, contudo, que nas classes D e E aumenta a indecisão ou a indiferença com relação à questão: 14%.

terça-feira, 17 de agosto de 2010

Corinthians anuncia estádio em setembro, diz Andrés

Setembro de 2010. Será neste mês que o Corinthians vai divulgar detalhes do projeto de construção do seu estádio. A promessa é do presidente Andrés Sanchez que, neste momento, analisa três propostas - uma de Guarulhos e duas no terreno ocupado pelo CT de Itaquera.

- Vamos escolher aquele que será mais rentável. Temos três opções e estamos analisando com cautela cada ponto. Vamos divulgar o novo estádio do Corinthians em setembro - prometeu Andrés, durante evento que apresentou a programação das festividades do clube para a comemoração do Centenário.

A primeira proposta enviada ao clube, por meio de conselheiros, foi a de construção em Guarulhos em um terreno de terceiros, entre a Marginal Tietê e a Avenida Aricanduva que seria viabilizada pelo banco Banif, tendo as empresas Hochtief e E.I.T como responsáveis pelas obras.

O presidente do Banif, Antonio Julio Rodrigues, dá como encerrada a oferta de um estádio para o Corinthians. "O clube hesitou demais. Incorporadoras como a Hochtief, diante de um mercado tão aquecido, compram terrenos e viabilizam empreendimentos rapidamente. É uma pena - frisou.

A proposta esteve de pé até 10 de agosto, mas o clube pediu um prazo maior. "Apresentamos mais vantagens para o próprio Corinthians, que tem de saber o quer. Pode até ser que a incorporadora e os investidores voltem atrás. Mas...", completa. O Alvinegro paulista analisa o plano de uma arena do Grupo Advento, que já faz lobby com a CBF de olho na Copa-14.

As outras duas propostas são para a construção no terreno que é ocupado pelo CT de Itaquera, doado pela Prefeitura de São Paulo por 90 anos. Um dos investidores é a Tessler Engenharia, com dinheiro que seria captaneado pelo grupo Advento. A outra proposta é guardada em sigilo, sendo desenvolvida pelo diretor de marketing do clube, Luis Paulo Rosenberg.

CT do Timão quase pronto. Andrés aconselha binóculos aos rivais

O Corinthians vai inaugurar seu novo Centro de Treinamento no próximo mês. De acordo com o presidente Andrés Sanchez, o elenco e a comissão técnica já estarão treinando até meados de setembro no Parque Ecológico, local do CT.

- Todo mundo duvidava, mas o sonho está perto de ser concretizado, É claro que não vamos abrir 100%, teremos uns 75, 80% prontos. Ainda vai faltar finalizar o hotel. Mas terá uma das melhores estruturas do País. Os erros que os outros cometeram talvez não se cometa agora - afirmou Andrés, garantindo que quatro campos e toda parte de infraestrutura dos departamentos médico, físico e de fisioterapia já estarão à disposição de Adilson Batista, Ronaldo & Cia.

O mandatário lembrou de uma promessa feita no dia 2 de dezembro de 2007, após a confirmação do rebaixamento da equipe para a Série B, no Olímpico.

- Quem tirou sarro tirou, quem não tirou não vai tirar. As pessoas vão ver o Corinthians de binóculo e o clube vai crescer cada vez mais - avisou Andrés Sanchez.

1994: Começa a era Marcelinho Carioca

Todo corintiano se orgulha de fazer parte do bando de loucos, como é cantado a cada jogo na arquibancada. É justamente essa loucura que pegou Marcelinho Carioca logo em sua chegada ao clube em que se tornou o maior vencedor de sua História.

– Lembro como se fosse hoje quando entrei no Parque São Jorge e já levei um baita susto. Primeiro tocou, do nada, uma sirene muito alta. Aí começou a chegar gente por todos os lados já colocando o dedo na minha cara e avisando: “Aqui é Curintcha!”. Eu achei muito louco e avisei ao (então presidente, Alberto) Dualib que iria fazer História no clube.

E como fez! Em seu primeiro jogo oficial, em janeiro de 1994, fez gol na vitória sobre o Portuguesa, no Pacaembu, e apresentou à Fiel sua mais letal arma: o pé direito em cobrança de falta. Começava a era Marcelinho no clube.

Marcelinho balançou redes outras 205 vezes pelo Corinthians e ajudou na conquista de dez títulos, tornando-se o jogador com mais conquistas na História do clube, inclusive do Mundial.

– A coroação do Mundial foi sem dúvida minha maior emoção no clube, uma segunda invasão da Fiel ao Maracanã. Foi lindo! Quando subi no gramado lembrei do que lia sobre 1976 (a invasão na semifinal do Brasileiro) – lembra o craque, que apontou como piores lembranças as derrotas para o rival Palmeiras na Libertadores, em 1999 e em 2000, ano em que ele perdeu o pênalti decisivo.

As experiências faz Marcelinho definir no Corinthians exatamente como o seu torcedor.

– É a instituição mais diferente e louca que tem. É apaixonante, vibrante, e essa loucura nos faz tirar força do nada. Tenho o desejo de ir na arquibancada sentir isso. E domingo, contra o São Paulo, eu vou – promete Marcelinho, eterno ídolo e mais um louco do bando.

1993: Títulos e vergonha na Era Dualib

O mais vitorioso e um dos mais odiados da História do Corinthians. Assim se define Alberto Dualib, que assumiu a presidência do clube em janeiro de 1993, para contínuos 14 anos, até sua renúncia, em 21 de setembro de 2007.

O ex-dirigente sucedeu Vicente Matheus e, logo no ano seguinte, mudou o estatuto do clube – uma manobra para se eternizar.

Até 2005, o clube gozou de glórias em sua administração: o título mais importante, o Mundial (2000), duas Copas do Brasil (1995 e 2002), três Brasileiros (98, 99 e 2005) e cinco Paulistas (95, 97, 99, 2001 e 2003).

Parcerias contestadas e com algum sucesso como as do Banco Excel e do Grupo HMTF (Hicks, Muse, Tate & Furst) o motivaram a procurar o fundo de investimentos MSI em novembro de 2004. O envolvimento com o russo Boris Berezovski e o iraniano Kia Joorabchian levou a uma investigação do Ministério Público Federal que, em julho de 2007, indiciou-o por lavagem de dinheiro e formação de quadrilha.

Formou-se dentro do clube o “Movimento Fora Dualib”, exigindo a saída de Dualib e do então vice Nesi Curi. Com o impeachment iminente, os dois se afastaram do cargo por um período até setembro de 2007, quando renunciaram, três meses antes de o time ser rebaixado para a Série B do Brasileiro. Estima-se que, somente com notas frias, o rombo chegou a R$ 2 milhões. Dualib deixou uma dívida no clube superior a R$ 100 milhões.

Na última semana, Dualib, 90 anos, foi condenado a três anos e nove meses de prisão por crime de estelionato contra a agremiação.

Os lados de Dualib:

Títulos
Em sua gestão, o clube obteve a conquista mais importante da História, o Mundial da Fifa (2000), duas Copas do Brasil (1995 e 2002), três Campeonatos Brasileiros (98, 99 e 2005) e cinco Campeonatos Paulistas (95, 97, 99, 2001 e 2003). Além destes, o Timão levou o Torneio Ramón de Carranza, da Espanha – o primeiro título internacional de seu mandato de presidente do clube paulista.

Mudanças no estatuto
Em três ocasiões Dualib mudou o estatuto do clube para que pudesse permanecer no cargo. Ele ficou por 14 anos no clube. Hoje, o estatuto prevê mandato de três anos, sem reeleição.

Dívida e Série B
Dualib deixou dívida de mais de R$ 100 milhões. Após parceria com o MSI, foi acusado de lavagem de dinheiro. E foi rumo à Série B...

segunda-feira, 16 de agosto de 2010

Olheiro do Timão vê Miralles e não aprova acerto

O Colo Colo (CHI) espera uma contraproposta do Corinthians para negociar o argentino Ezequiel Miralles, mas o negócio não deve acontecer. Tudo porque a diretoria ouviu do olheiro do clube, Mauro da Silva, que o atacante de 27 anos não valia alto o investimento. Os chilenos pediram US$ 3,2 milhões (cerca de R$ 5,6 milhões) por 100% de seus direitos.

Mauro observou in loco o jogador no último sábado, no duelo contra o Wanderes, pelo campeonato nacional. A avaliação foi reprovada para aquilo que a diretoria busca: um atacante goleador. Miralles havia sido indicado pelo técnico Adilson Batista, que o enfrentou na Libertadores deste ano, dirigindo o Cruzeiro.

Vale lembrar que a janela de transferências se fecha nesta quinta-feira. Por isso, a diretoria corintiana tem pressa para definir um novo nome para reforçar o clube.

Guilherme, do Dínamo de Kiev (UCR) e Deivid, do Fenerbahçe (TUR), são nomes que agradaram, mas também não vingaram por conta do alto investimento.

Avaí 3x2 Corinthians



Jogos fora do Pacaembu não estão sendo bons para o Timão. Com apenas uma vitória fora de casa no Brasileirão, o Corinthians não se deu bem longe de São Paulo mais uma vez. Desta vez, na Ressacada, o Alvinegro Paulista caiu diante o Avaí por 3 a 2 e deixou o Fluminense, que derrotou o Internacional por 3 a 0, disparar na liderança do Brasileirão. Já o Avaí, em bela atuação, venceu e agora figura na terceira posição da competição.

O Corinthians foi a campo com a mesma equipe que Adilson Batista escalou em sua estreia contra o Palmeiras. No meio, o treinador escalou seu tradicional losango, que usara desde os tempos de Cruzeiro, com Ralf centralizado como cabeça de área, Jucilei pela esquerda, Elias pelo lado direito e Bruno César com mais liberdade, responsável pela criação de jogadas. Na frente, com a lesão de Dentinho e o veto de Ronaldo, o comandante manteve os polivalentes Jorge Henrique e Iarley.

Já o Avaí de Antônio Lopes foi para a partida com força máxima e atrás de uma reabilitação no Brasileirão após goleada sofrida para o Guarani na última rodada. Os onze iniciais foram os mesmos que derrotaram o Santos na última quinta-feira, no Pacaembu, pela Copa Sul-Americana.

A partida começou com a equipe do Avaí pressionando e o primeiro lance de perigo não demorou a acontecer. Com apenas 2 minutos, Vandinho recebeu belo passe de Davi e saiu na cara do gol. Júlio César, em boa saída, conseguiu abafar e evitar o que seria o primeiro gol dos catarinenses. A insistência avaiana no jogo teve a recompensa poucos minutos depois. Aos 10 minutos, Caio fez bela jogada individual e deu um preciso passe para Davi, na cara do gol. O meia não perdoou e abriu o placar para os donos da casa.

Um minuto depois, o Timão chegou ao seu primeiro lance de perigo. Em bola levantada na área, Chicão antecipou-se à marcação e cabeceou por cima da meta de Renan. Com uma visível melhora no jogo, o Alvinegro voltou a assustar aos 19. Depois de falta mal cobrada por Chicão, a bola sobrou na área, e Jorge Henrique, quando ia tocar para o gol, foi travado pelo zagueiro na hora "H".

Depois de ver Caio receber bom lançamento e arriscar para fora, aos 22 minutos, o Corinthians quase empatou o duelo. Em boa jogada ensaiada, aos 27, Jorge Henrique achou bem Elias na área, que foi até a linha de fundo e cruzou. Iarley, praticamente sem ângulo, não aproveitou e finalizou para fora. O mesmo Iarley, três minutos depois, voltou assustar os avaianos na Ressacada. O atacante recebeu belo cruzamento de Jorge Henrique e cabeceou firme na trave do gol de Renan, que já estava vendido no lance.

O ditado é claro, "água mole em pedra dura, tanto bate até que fura", e o Corinthians, de tanto insistir, chegou à igualdade do placar aos 40 minutos. Depois de grande jogada pela direita, Elias cruzou na marca do pênalti para Iarley. O camisa 21 deixou para Bruno César, que em velocidade fuzilou para a rede avaiana, empatando o jogo para o Corinthians. Com o tento, o Timão continuou melhor, mas a primeira etapa acabou com a igualdade.

O Corinthians voltou para o segundo tempo sem nenhuma alteração. Já Antônio Lopes mexeu na sua equipe, tirando Rudnei para a entrada de Bruno.

A segunda etapa começou como a primeira, com o Avaí no ataque. Assim os anfitriões não demoraram a voltar à frente do placar e marcaram com apenas 2 minutos. Depois de desatenção da defesa do Timão, Patric escapou pela direita e cruzou no primeiro pau. Vandinho se antecipou, dividiu com Chicão e a bola acabou morrendo no fundo do gol corintiano. O gol destabilizou os alvinegros, que sofreram outro baque cinco minutos depois. Em cobrança de escanteio e bate rebate na área, o zagueiro Rafael dominou e completou livre para a rede.

Nervoso em campo, o Timão quase tomou o quarto gol aos 14 minutos, depois de uma cabeçada perigosa de Vandinho. Três minutos depois, o clima esquentou em campo e depois de muito diz que me diz, Bruno César e Patric saíram advertidos com um cartão amarelo cada um. Tentando mudar um pouco a história do jogo, Adilson Batista promoveu sua primeira alteração, tirando Iarley e colocando Defederico, aos 19. Em seu primeiro lance, o argentino quase marcou. Depois de fazer bela jogada individual, o camisa 20 chutou bem e o lateral avaiano tirou a bola em cima da linha.

Aos 23 minutos, o treinador do Timão fez mais uma mudança, tentando colocar seu time mais a frente, sacou Willian e colocou Paulinho. Com a substituição, Adilson recuou Ralf para zaga ao lado de Chicão. Depois de tentar e tentar, o Corinthians conseguiu diminuir o placar aos 30 minutos. Depois de boa arrancada de Jucilei, que esbarrou na defesa adversária, a bola sobrou limpa para o camisa 10, que só teve o trabalho de empurrar para o gol.

Empolgado com o segundo gol, o Timão foi para cima e chegou a marcar com Jucilei aos 33, porém o gol foi bem anulado. No momento que Roberto Carlos fez o cruzamento, o volante estava um pouco à frente. Apesar de várias tentativas, o Corinthians não conseguiu igualar o placar e o jogo se estendeu até o final com uma pressão corintiana que foi em vão.


Agora, o Timão terá a semana inteira livre para se acertar nos treinamentos e só voltará a campo no próximo domingo, no clássico paulista contra o São Paulo, em jogo válido pelo Campeonato Brasileiro. Já o Avaí recebe o Santos na próxima quarta-feira, pelo jogo de volta da primeira fase da Copa Sul-Americana. A equipe catarinense, após aplicar 3 a 1 em pleno Pacaembu, terá que administrar a boa vantagem conquistada fora de casa.


FICHA TÉCNICA:
AVAÍ 3 X 2 CORINTHIANS

Estádio: Ressacada, em Florianópolis (SC)
Data/hora: 15/8/2010, às 16h (de Brasília)
Árbitro: Péricles Bassols Cortez (FIFA-RJ)
Auxiliares: Roberto Braatz (FIFA-PR) e Alessandro Alvaro de Matos (FIFA-BA)

Cartões amarelos: Caio, Rafael, Rudnei, Davi, Patric (Avaí); Willian, Bruno César, Jorge Henrique (Corinthians)

GOLS: Davi, 10'/1ºT (1-0), Bruno César , 40'/1ºT (1-1) Chicão (contra), 2'/2ºT (2-1) e Rafael, 7'/2ºT (3-1); Bruno César, 30'/2ºT (3-2)

AVAÍ: Renan, Patric, Emerson, Rafael e Eltinho; Marcinho Guerreiro, Rudnei (Bruno - intervalo), Davi (Marcos - 35'/2ºT) e Caio; Robinho e Vandinho. Técnico: Antônio Lopes.

CORINTHIANS: Júlio César, Alessandro, Chicão, William (Paulinho - 23'/2ºT) e Roberto Carlos (Danilo - '/2ºT); Ralf, Elias, Jucilei e Bruno César; Jorge Henrique e Iarley (Defederico - 19'/2ºT). Técnico: Adilson Batista.

Corinthians 1992: Um supertime fracassado

A ressaca da eliminação na Libertadores do ano anterior fez o ano de 1992 ser um período de insucesso para o Corinthians, tanto dentro como fora de campo.

O status conquistado pelo título do Brasileiro de 1990 acabara, mesmo com a presença de ídolos como Ronaldo, Ezequiel, Neto e Tupãzinho. Fora de campo, a diretoria não poupou esforços: contratou o lateral-esquerdo Nelsinho, que defendeu o São Paulo por 13 anos e eleito o melhor da posição na conquista do Brasileirão de 86, o meia Edu Manga, ídolo do arquirrival Palmeiras e o atacante Nílson, cigano goleador do futebol nacional.

A equipe não se acertou e não conquistou títulos. Após derrota por 4 a 0 para o Internacional, no Pacaembu, o técnico Basílio foi demitido e encerrou sua quarta e última passagem pelo clube.

Vicente Matheus apostou no retorno de Nelsinho Baptista, campeão brasileiro em 90, mas o novo treinador tampouco conseguiu mudar as perspectivas. No mesmo ano, Viola, que havia voltado de empréstimo depois de dois anos em clubes do interior, era apenas uma opção no banco de reservas.

Um dos poucos momentos de alegria para o corintiano foi o duelo contra o América-RN, pela Copa do Brasil. O jogo foi disputado no Parque São Jorge, que não era utilizado desde 27 de outubro de 1982. O Timão goleou por 3 a 0, em casa.

1991: Obsessão do Corinthians pela Libertadores

Além do desejo de ter o próprio estádio, o maior sonho do torcedor corintiano é conquistar a Libertadores. E na noite de 20 de março de 1991, a torcida teve um comportamento que levou essa obsessão ao extremo, no episódio que ficou conhecido como Noite das Garrafadas.

Era a segunda oportunidade em que o clube disputava a competição e, após empatar as três primeiras partidas daquela edição, o Corinthians perdia para o Flamengo por 2 a 0, em pleno Pacaembu. A torcida não se conteve e, após saquear as lanchonetes do estádio, atirou garrafas no gramado, revoltada com o resultado e a arbitragem do jogo. Aos 38 minutos do 2 tempo, o árbitro teve de encerrar a partida.

Nos anos seguintes, a obsessão corintiana novamente veio à tona com outras manifestações. Em 2000, após a eliminação na semifinal, diante do arquirrival Palmeiras, torcedores foram ao Parque São Jorge para tirar satisfação com os jogadores. O atacante Edílson, por exemplo, deixou o clube em função do entrevero com a torcida.

Já em 2006, o Corinthians foi eliminado pelo River Plate (ARG), novamente no Pacaembu. Torcedores tentaram invadir o gramado e foram contidos heroicamente por um pequeno grupo de policiais.

Neste ano, o Corinthians voltou a ser eliminado jogando em casa. Porém, desta vez, a torcida aplaudiu o time pela raça mostrada.

sábado, 14 de agosto de 2010

Bobadilla aparece no BID e está liberado

O goleiro paraguaio Aldo Bobadilla apareceu na tarde desta sexta-feira no BID (Boletim Informativo Diário) da CBF e agora está liberado para fazer sua estreia com a camisa do Timão.

Dessa forma, o técnico Adilson Batista ganha uma sombra para Julio Cesar, que assumiu a titularidade do gol corintiano após a saída de Felipe, que entrou em atrito com a diretoria do clube do Parque Sao Jorge.

Bobadilla esteve na África do Sul para a última Copa do Mundo, mas foi reserva durante toda a campanha paraguaia, que terminou nas quartas de final do Mundial, diante da Espanha.

O contrato firmado entre ele e o Corinthians irá até dezembro de 2011.

Andrés promete estádio e 'maior CT do mundo'

A espera do torcedor corintiano para ter seu próprio estádio por estar chegando ao fim. André Sanchez, presidente do Corinthians, espera anunciar a nova "casa" do Timão já em setembro, mês de aniversário do clube, e ainda garante o CT que está sendo construído trará orgulho ao torcedor.

- O estádio terá entre 48 e 50 mil lugares, será em Itaquera ou Guarulhos, e falta muito pouco. Mas, mais importante que o estádio, é o novo CT que estamos construindo. Será o maior CT do mundo - garantiu Andrés à TV Record.

Às vésperas do clube paulista completar 100 anos de História, Andrés espera anunciar a construção do novo estádio como parte das comemorações do aniversário corintiano.

O presidente do Timão ainda aproveitou para comentar sobre Ronaldo. O atacante, que era esperado para retornar aos gramados no domingo, foi vetado para a partida. Andrés garante que o camisa 9 se dedica muito aos treinamentos.

- Tenho mais que um amigo no Ronaldo, ele sofre muito por ser o que é. O Ronaldo é o atleta que mais treina no Brasil, quem sabe no mundo. As pessoas esperam ver o de 20 anos atrás, mas temos que ser realistas. Se estivesse bem, não estaria no Corinthians - afirmou.

1990: Corinthians conquista o Brasileirão sob a batuta de Neto



Ser ídolo do Corinthians é uma consagração para poucos seres humanos. Ser ídolo das torcidas dos quatro clubes grandes do estado de São Paulo é algo somente para José Ferreira Neto.

Comprovar isso não é difícil: por cerca de 45 minutos que o ex-camisa 10 do Corinthians atendeu à reportagem do LANCENET!, em uma das arquibancadas do Pacaembu, foi interrompido diversas vezes. Ora por um diretor do Santos que passava por ali ora por funcionários do estádio ou por várias crianças, que comemoravam os autógrafos obtidos como se fosse um gol do time do coração.

– Eu sou um dos poucos jogadores que tiveram uma relação tão boa com a torcida do Corinthians, e até mesmo com as outras torcidas – disse, ao LANCENET!.

Mas foi no Timão que Neto conquistou o maior título de sua carreira: o Campeonato Brasileiro de 1990, primeira conquista nacional do clube em 80 anos de existência. O time era limitado, e muita gente não acreditava no título. Depois de se classificar para as oitavas com a penúltima vaga, o Corinthians enfrentou o Atlético Mineiro, então equipe sensação do Brasil. E na noite de 24 de novembro, o Xodó da Fiel brilhou.

O Galo vencia por 1 a 0 até os 30 minutos do segundo tempo, em um Pacaembu lotado, quando o camisa 10 empatou o jogo e virou em seguida, para a Fiel explodir.
– Depois daquele dia passamos a acreditar que dava – lembra.

E deu. O Corinthians foi campeão após duas vitórias sobre o São Paulo, 1 a 0 cada, e comemorou o primeiro título nacional da sua História, então octogenária.

– Foi a coisa mais importante que fiz na minha carreira. O maior título que ganhei... – diz.

Neto encerrou a carreira em 1999, e até hoje é ídolo de todas as torcidas. Mas no coração da Fiel, ele tem um lugar especial.

Bate-Bola com Neto, no Pacaembu, ao LANCENET!

‘Foi o meu título mais importante’

LANCENET!: Como foi a conquista do Campeonato Brasileiro de 1990?
Neto: Não imaginávamos que fossemos ganhar. Acima de tudo, porque o Corinthians era muito mal dirigido. Antes de 1990, era o Campeão dos Campeões mais o Paulistão. Mas eu estava em uma ótima fase, estava preparado para ser campeão. Fico chateado, porque até hoje não organizaram um almoço para comemorar. Em dezembro completará 20 anos do título e nunca fui convidado para nenhuma comemoração. É brincadeira, não é?

L!: E o que esse título significou para você, pessoalmente?
N: Ah, foi o maior título que ganhei na minha carreira. A coisa mais importante que eu fiz no futebol. Passamos a ser respeitados. Mas aquele time tinha vários jogadores que merecem o crédito, assim como eu.

L!: E a Fiel torcida?
N: É única. Eu respeito as outras torcidas dos clubes pelos quais joguei, mas a torcida do Corinthians é inexplicável. Eu já fui vaiado e ovacionado por ela, mas meu vínculo com o Corinthians e a torcida sempre foi muito forte.

L!: Você tem alguma decepção com o Corinthians?
N: Poucas. O Mário Sérgio (técnico em 1993) tentando me derrubar, o título brasileiro perdido para o Palmeiras... Mas tive bem mais alegrias no Corinthians.